você está lendo...
Programas e Portfólio

Como selecionar projetos

Existem várias técnicas de avaliar individualmente os projetos em carteira nas organizações. Mesmo assim há uma grande dificuldade das empresas em definir a prioridade de cada um deles.  Às vezes por falta de alinhamento com os objetivos estratégicos ou de valores altos em investimentos e recursos necessários para sua realização. Normalmente, a demanda por recursos é maior do que a sua disponibilidade.  A saída é saber os elementos principais envolvidos na seleção de projetos e utilizar critérios justos para a seleção dos mesmos. Lembrando que o feeling pessoal nem sempre é um critério adequado para esta classificação, é necessário definir-se métodos de priorização de projetos que busquem uma maior aderência à estratégia da empresa.

Abaixo alguns critérios para seleção de projetos adotados pelas empresas:

– Alinhamento estratégico: tão quão forte é o alinhamento do projeto com o planejamento estratégico da organização;

– Nível de complexidade: qual o nível de complexidade do projeto. Tem recursos para a execução do projeto?

– Possibilidade do projeto proporcionar a empresa vantagens competitivas de mercado;

– Análise de risco: verificar o risco do projeto perante o quociente benefício/custo;

– Potencialidade de retorno, em termos de receita de vendas;

– Partes interessadas: quem são os stakeholders interessados no projeto? Há algum estrategicamente importante para a organização?

– Pontuação por índices econômicos – utiliza-se índices como TIR (Taxa Interna de Retorno), VPL (Valor Presente Líquido), VPLU (Valor Presente Unitário), Payback (Tempo de retorno do investimento), Relação Benefício-Custo, etc. calculados a partir do fluxo de caixa de cada projeto.

A escolha dos critérios de seleção não é simples e deve ser feita de acordo com a estratégia da empresa. Não existe a melhor forma de medir, mas a mais adequada a cada empresa. Por outro lado, não basta a definição clara da importância estratégica de um projeto para garantir que sejam escolhidas as técnicas mais adequadas ao seu gerenciamento. O outro vetor fundamental nesta análise é a complexidade do projeto. Projetos complexos exigirão controles e frequências de acompanhamento muito diferentes de projetos simples.

Após a escolha do conjunto de critérios pode-se, finalmente, pontuar os projetos. O modelo é simples e contém os critérios e a pontuação de cada projeto. O projeto que obtiver a maior pontuação será o escolhido.

Nome Critério A Critério B Critério C Critério D TOTAL
Projeto A 10 20 30 40 100
Projeto B 40 20 20 30 110
Projeto C 30 10 40 40 120
Projeto D 20 30 10 10 70

Priorizado o projeto, agora é executar!

Sobre Roberto Kelsen

Coordenador de Sistemas, CSM, HCMBOK, ADM, MBA Gerenciamento de Projetos, adepto das inovações e desenvolvimento ágil. Experiência em ERP - enterprise resource planning - acompanhando implantações e desenvolvimentos do sistema.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Siga-me no Twitter

Encontre-nos no Facebook

Calendário

outubro 2014
D S T Q Q S S
« jul   nov »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Estatísticas do blog

  • 66,823 cliques
%d blogueiros gostam disto: